Entre o Direito e a Ciência Política: uma relação com futuro? | Between Law and Political Science: a relationship with future?
PDF

Keywords

constitution
law
justice
power
politic

How to Cite

Castro, K. (2021). Entre o Direito e a Ciência Política: uma relação com futuro? | Between Law and Political Science: a relationship with future?. Political Observer | Revista Portuguesa De Ciência Política, (15). https://doi.org/10.33167/2184-2078.RPCP2021.15/pp.59-74

Abstract

It is well known that legal and political studies began with an analysis of the State and society with its various elements. Therefore, it is not surprising that the great link between Law and Political Science was due to Constitutional Law and the General Theory of the State. When today we study the configuration of the State, we pay attention not only to administrative, judicial and legislative institutions, but also to the legal and political status that must be observed by the State and its governors. Thus, in today’s democratic States, Law and Politics intersect in different ways. States, based on constitutional precepts, rest on their legitimacy and legality, on these precepts that contain, in turn, a double character: legal and political. Political Science and Law researchers and, desirably, from other areas of Social Sciences and even from other scientific areas, have the current challenge, to place their areas of study, on investigative platforms, which allow the development of these areas in multidisciplinary, interdisciplinary and transdisciplinary models.

https://doi.org/10.33167/2184-2078.RPCP2021.15/pp.59-74
PDF

References

Araujo, J. A. E. (1994). La Constitución como Proceso y la Desobediencia Civil. Madrid: Trotta.

Arrighi, G. ; Comaroff, John; Comaroff, Jean. (2008). Law and Disorder in the Postcolony. American Journal of Sociology, v. 114, n. 2, p. 562-564, september.

Baquero, M. (2008). Democracia formal, cultura política informal e capital social no Brasil. Revista Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, pp. 380-413.

Bastos, M. D. S.(2012). Constituição Federal: o estatuto jurídico-político. Revista Brasileira de Direito Constitucional, v. 19, n. 1, pp. 139-143, 2012.

Bercovici, G. (2004). Constituição e Política: uma relação difícil. Revista Lua Nova, São Paulo, v. 61, p. 5-24.

Bilhim, J. A. D. F.(2007). Governação e inovação nas autarquias locais. Atas do XII Congresso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Santo Domingo: CLAD; pp 1-10.

Bilhim, J. A. D. F. (2008). Políticas públicas e agenda política. Revista de Ciências Sociais e Políticas, n. 2, pp. 99-122.

Bilhim, J. A. D. F. (2013). Teoria Organizacional: estruturas e pessoas. 7.ª ed. Lisboa: Edições ISCSP.

Bobbio, N. (1986). O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra Editora.

Bobbio, N. (2008). Direito e poder. São Paulo: Editora UNESP.

Bobbio, N. (2010). Teoria Geral do Direito. 3.ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bonavides, P. (1995). Ciência Política. 10.ª ed. São Paulo: Malheiros.

Bonavides, P. (2016). Curso de Direito Constitucional. 31.ª ed. São Paulo: Malheiros.

Braga, S. P.; Caristina, J. E. A. (2012). (Re)pensando a eficiência da Justiça: um olhar sobre as fragilidades e as perspectivas do operador do Direito. Atas do XXI Encontro Nacional do CONPEDI - Sistema Jurídico e Direitos Fundamentais Individuais e Coletivos. Uberlândia: Publica Direito (online); pp. 1-23.

Canotilho, J. J. G. (1993). Direito Constitucional. 6.ª ed. Coimbra: Editora Almedina

Canotilho, J. J. G. (1994). Constituição dirigente e vinculação do legislador. Coimbra: Coimbra Editora.

Canotilho, J. J. G. (2011). Direito Constitucional e Teoria da Constituição. Lisboa: Almedina.

Canotilho, J. J. G. (2016). Nota de abertura. In: Canotilho, J. J. G., et al. A prova do tempo. 40 anos de Constituição. Lisboa: Assembleia da República, 2016; pp. 5-8.

Canotilho, J. J. G. (2017). «Brancosos» e Interconstitucionalidade. Itinerários dos Discursos sobre a Historicidade Constitucional. 2.ª ed. Coimbra: Almedina.

Carvalho, E. (2009). Judicialização da política no Brasil: controle de constitucionalidade e racionalidade política. Revista Análise Social, Lisboa, v. XLIV, n. 191, pp. 325-335.

Cunha, R. P. P. D. (2015). Contributo para a avaliação da eficiência dos tribunais. Universidade de Lisboa. Lisboa, pp. 1-95.

Dahl, R. (2001). Sobre a democracia. Brasília: Editora UnB.

Dan, S.; Pollitt, C. (2015). Can Work: An optimistic review of the impact of New Public Management reforms in central and eastern Europe. Public Management Review, v. 17, n. 9, p. 1305-1332.

Dantas, I. (2013). Teoria do Estado Contemporâneo. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Diniz, M. H. (2017). Compêndio de Introdução à Ciência do Direito - Introdução à Teoria Geral do Direito, à Filosofia do Direito, à Sociologia do Direito, à Norma Jurídica e à Aplicação do Direito. 26.ª ed. São Paulo: Editora Saraiva.

Eakin, H. et al. (2011). Public Sector Reform and Governance for Adaptation: Implications of New Public Management for Adaptive Capacity in Mexico and Norway. Environmental Management, v. 47, n. 3, p. 338-351, 2011.

Habermas, J. (1997). Direito e democracia: entre facticidade e validade. [S.l.]: [s.n.], v. I.

Jorge, A. G. L. (2000). Tribunal Administrativo e a Supremacia da Constituição Federal. Curitiba: Editora Juruá

Kelsen, H. (1998).Teoria pura do Direito. 6.ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

Kelsen, H. (2003).Jurisdição constitucional. São Paulo: Malheiros Editores.

Lara, A. S. (2017). Ciência Política – Estudo da Ordem e da Subversão. 9ª. ed. Lisboa: Edições ISCSP.

Luhmann, N. (1980). Legitimação como procedimento. Brasília: Editora UnB.

Maltez, J. A. (2018). Manual de Ciência Política: Teoria Geral da República. Lisboa: Edições ISCSP.

Martins, M. M. (2010). Cidadania e participação política – Temas e perspectivas de análise. Lisboa: Edições ISCSP.

Menaut, A.-C. P. (2006). Derecho Constitucional Español. Madrid: Andavira.

Miranda, J. (1996). Ciência Política: formas de governo. Lisboa: Pedro Ferreira Editor.

Miranda, J. (1997). As Constituições Portuguesas de 1822 ao Texto Actual da Constituição. 4ª. ed. Lisboa: Livraria Petrony.

Moisés, J. Á.(2010). Os significados da democracia segundo os brasileiros. Revista Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 2, pp. 269-309.

Morlino, L.(2016). Qualidades da democracia: como analisá-las. Revista Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 18, n. 2, pp. 177-194.

Müller, F. (2003). Quem é o povo? A questão fundamental da democracia. Tradução de Peter Naumann e Paulo Bonavides. 3ª. ed. São Paulo: Editora Max Limonad.

OCDE (2010). Value for Money in Government - Public Administration after ‘New Public Management’. Paris: Organisation for Economic Co-Operation and Development.

Oliveira, M. Â. J. D. S. C. (2016). Beyond independence and accountability: balancing judicial regulation in Brazil. In: Devlin, R.; Dodek, A. Regulating Judges - Beyond Independence and Accountability. 1. ed. Northampton: Edward Elgar Publishing, Cap. 3, pp. 55-75.

Reale, M. (2003). Teoria Geral do Direito e do Estado. São Paulo: Malheiros Editores.

Sartori, G.(1994). Teoria da democracia revisitada. São Paulo: Editora Ática.

Schmitt, C. (2007a). Legalidade e Legitimidade. Belo Horizonte: Del Rey.

Schmitt, C. (2007b) O guardião da constituição. Belo Horizonte: Del Rey.

Soares, G. A. D. (2005). O calcanhar metodológico da Ciência Política no Brasil. Sociologia: Problemas e Práticas, v. 2, n. 48, pp. 27-52.

Sorj, B. (2000). A nova sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Vasconcelos, A. (2006). Teoria da Norma Jurídica. São Paulo: Malheiros Editores.

Wolkmer, A. C. (1994) Pluralismo jurídico. Fundamentos de uma cultura no direito. 2.ª ed. São Paulo: Alfa e Ômega.

Zimmerman, A.(2002). Curso de Direito Constitucional. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Lummen Juris.

At the moment of the article submission, it is required to the author(s) declare to agree with the conditions and norms of Political Observer - Revista Potuguesa de Ciência Política, as well as guaranteeing the inedited and original character of the text submitted to scientific evolution. Thus, the author(s) declare to accept the instructions and conditions of publication of the journal, sharing with this the author’s rights, respecting the duties of copyright and ceding to the journal the rights over the first publication of the text in its printed and digital version.

This is an open access journal which means that all content is freely available without charge to the user or his/her institution. The partial or integral publication and sharing of the text (in institutional repositories, book chapters, periodical publications, social media and professional platforms in the areas of science and research, among others) determines the quotation of the initial publication in the journal and the hyperlinking to the website of Political Observer - Revista Potuguesa de Ciência Política, resorting, to that effect, to the available information in the DOI (Digital Object Identifier) system.

Political Observer incentives the sharing and distribution of the work published by the authors in the journal, raising the impact factors and the number of registered quotes, this way contributing to an open (https://www.ciencia-aberta.pt/) and accessible science (http://www.unesco.org/new/en/communication-and-information/portals-and-platforms/goap/open-science-movement/). Published works are under a Creative Commons License - Attribution-ShareAlike 4.0 International .

Licença Creative Commons